logo

Dino Black

A Biografia de Um Preto Furioso
O rapper Dino Black começou a se destacar no ano de 1988. No começo, fazia parte da Banda Negra, conjunto formado por uma instituição chamada Fundação Praia Verde. Esta fundação trabalhava com meninos e meninas de rua com projetos musicais, que acabavam por levantar e resgatar as suas auto-estimas. Os projetos eram todos voltados para a consciência da cultura negra brasileira.

Em 1990, Dino começou a se envolver com um outro estilo musical que mistura break (dança), grafite (artes plásticas), rap (música) e a arte do DJ Tydoz, também conhecido como TDZ. O nome Morte Cerebral faz referencia ao estado de alienação das pessoas, principalmente as de periferia e de cor, pelo fato de não entenderem o porquê de estarem socialmente desfavoráveis. Dino costuma dizer que as pessoas que “sofrem de morte cerebral” encontram-se em estado crítico, porém reversível. A formação do Morte Cerebral ficou completa com a entrada do rapper Thel ao grupo, alguns anos depois.

Paralelamente ao Morte Cerebral, Dino, em parceria com Chico Piauí, montam o grupo Orum juntamente ás crianças da Casa Aberta, misturando o samba, a música afro e o hip hop.

Dino sai em 1997 do Morte Cerebral e da banda para cantar com o rapper Gog e os seus parceiros Japão e o DJ Mano Mix. Dino Black já era conhecido do rapper Gog anos antes de ter sido convidado para integrar de vez a sua trupe. Dino participou do segundo álbum de Gog e por conta disso ganhou respeito dos do hip hop.

No ano seguinte a sua entrada ao grupo do Gog, Dino ganhou, de vez, destaque na cena com o seu trabalho no quinto álbum do Gog (Das Trevas à Luz), pela gravadora Zâmbia fonográfica, a mesma que lançou os grupos Racionais MC’s, DMN, MRN e outros.

O sexto álbum do grupo Gog saiu em 2000. Intitulado C.P.I. da favela, o disco possibilitou que o grupo se apresentasse de norte a sul do país (Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e etc).

Ainda neste ano, Dino Começou a contribuir com o rap brasiliense ao formar “3 grupos em um só”. É assim como costuma definir o projeto paralelo Máfia, que tinha integrantes de três grupos de rap da cidade. O máfia gravou apenas um álbum e o lançou pela gravadora brasiliense CD Box. O máfia durou poucos meses mas Dino não parou.

Juntamente com os seus companheiros do grupo Gog, Japão e Mano Mix, Dino montou o Viela 17. O Viela 17 lançou em 2001 o seu primeiro disco “O Jogo”, pela Zâmbia Fonográfica e no ano seguinte partiu para carreira solo.

Como artista solo, Dino Black passou a se chamar (também) Preto Furioso. Armado com microfone perigoso no verso, suas letras são basicamente politizadas. A valorização das chamadas minoria (índio e negros) são constantemente citados em suas letras, assim como a conscientização da população de baixa renda. Em suas palestras organizadas em faculdades e escolas, Dino Black mostra que é preciso ter em mãos o estudo e a autovalorização da periferia por meio da leitura e educação. “Devemos buscar em livros a verdadeira história”, diz Dino, sobre a importância dos temas que costuma discursar tanto nos discos como em salas de aulas e auditórios.

Dino Black já tocou com vários nomes do rap nacional como Câmbio Negro, Racionais MC’s, thaíde e DJ Hum, Consciência Humana, Facção Central e Comando DMCS. Fez diversas participações em discos de grhupos como falso sistema, Radical Sem Dó, Condenação Brutal, Provérbio X, Sub-Versão, Mitiiê do Brasil, U-Ganga e Relato Bíblico.
Atualmente Dino Black faz parte do OBAMA BRASILEIRO 
Cultural e Revista Eletrônica Editorial Hip Hop.

Discografia
GOG Álbum Das Trevas a Luz - – Zâmbia Fonográfica - 1998
GOG Álbum História do Rap – Ritman Blues - 1999
GOG Álbum CPI da Favela – Zâmbia Fonográfica – 2000
M.Á.F.I.A. Álbum Só Mafioso na Rima – Gravadora CD Box - 2000
Viela 17 – Álbum O Jogo – Zâmbia Fonográfica - 2001
Dino Black-Álbum Mais Fácil amar a rosa que seus espinhos – ZERODB produções Projeto Fac- 2007 
Descrição
Dino Black, um dos rappers mais importantes do DF, filho de candangos que vieram do Nordeste em busca de oportunidades. Nascido na Ceilândia e criado na Candangolândia, é espécie de poeta da periferia, conhecido como Preto Furioso das Rimas.Em 2007, lançou o primeiro disco solo, “Mais fácil amar a rosa do que seus espinhos”, que foi elogiado pela crítica especializada.

Detalhes
1,581 visualizações
7 media

Recomendado

Featured
Featured
Featured

View More

 

Login

Remember me

web-radio

radio
radio
radio

© 2004-2017 Equipe AD iretoria Hip Hop. .:|:. © 2017 Itanhangá Web Shoping.
Endereço: Rua E05 Quadra 63 Lote 21 Casa 02 CEP 75690-000 Estância Itanhangá - Caldas Novas Goiás. CPF/CNPJ: 010.575.301-74.
Contato: +55 64 9 9249 6719 Claro Whatsapp / +55 13 9 9647 6614 Vivo. E-mail: eadhiphop@equipeadiretoria.com
All Rights Reserved.

Please publish modules in offcanvas position.